Este espaço é reservado para troca de textos e informações sobre a História do Brasil em nível acadêmico.

domingo, 26 de dezembro de 2010

** Descobrindo o Brasil mestiço

 

Descobrindo o Brasil mestiço


Fonte: Jornal Diário do Nordeste
Clique para Ampliar


O pesquisador Daniel Mesquita buscou nos diálogos com os antecessores de Capistrano de Abreu, em suas cartas e livros, compreender as questões que preocupavam o historiador cearense

26/12/2010
Doutor em História pela Puc-Rio e professor do Departamento de Comunicação Social na mesma universidade, Daniel Mesquita dedicou sua tese de doutorado à compreensão dos motivos pelos quais o cearense Capistrano
de Abreu desejou escrever uma história do Brasil e dos brasileiros. Em entrevista ao Caderno 3, o pesquisador comenta sobre particularidades de Capistrano e analisa as contribuições do historiador para a atualidade
O título do livro é "Descobrimentos de Capistrano: a História do Brasil a ´grandes traços e largas malhas´". Por que esta citação para definir a História do Brasil de Capistrano?
A expressão é do próprio Capistrano. Ela tem relação com sua mudança de planos sobre a escrita de uma História do Brasil. A princípio pensou em fazer uma História "seguida e completa", mas depois acabou escrevendo o livro, hoje clássico, "Capítulos de História Colonial". Capistrano não avançou pelo século XIX, limitou-se ao período colonial. Diria que os grandes traços têm relação com os temas dos capítulos e as largas malhas são relativas ao povoamento do País, sobretudo do sertão.

Na pesquisa, você teve contato não apenas com as obras do autor, mas com as cartas que ele dirigiu a seus contemporâneos. Qual a contribuição desta correspondência para compreender a construção do Capistrano historiador?
A correspondência foi fundamental por fornecer pistas de sua investigação histórica. Estão lá seus interesses, seus interlocutores. Meu interesse nas cartas foi sobretudo com relação a seus projetos intelectuais. Capistrano escreveu muitas cartas, são três volumes. Então foi preciso selecionar algumas prioridades. Diria que as correspondências com o Barão do Rio Branco e com o português Lino Assunção foram muito importantes para perceber como Capistrano ia construindo, para si mesmo, um projeto intelectual de escrever uma história do Brasil. Na verdade, a leitura dos textos e livros e das cartas são complementares.

No livro, você ressalta que Capistrano testemunhou eventos cruciais da nossa história, como a proclamação da República e a abolição da escravidão. Pode-se dizer que a vivência de tais momentos motivaram o autor ao estudo da história? Ele foi capaz de produzir uma leitura dos acontecimentos de seu tempo?
A inclinação de Capistrano para a investigação histórica pode ter relação com um contexto de mudanças pelas quais passava o País. É comum à sua geração intelectual (conhecida como geração de 1870) a vivência de um momento de crise do Império e da escravidão. Foi um momento em que muito se debatia o futuro do País e a necessidade de modernização, que atingia inclusive o campo das ideias, com a questão das ciências. Esse debate, evidente, haveria de ter impacto sobre a discussão acerca da formação da nacionalidade, uma vez que era o futuro mesmo da coletividade que se debatia: "O que queremos ser? Quem fomos até então?".

O historiador tinha certa obsessão em superar o teórico Adolfo de Varnhagen, outro dos interpretes da história brasileira. Fale-nos deste sentimento: como esse desejo de sobrepor Varnhagen contribuiu para a produção de Capistrano?
Em boa medida, Capistrano construiu sua concepção da história do Brasil a partir de um diálogo tenso com seu ilustre antecessor. Na verdade, diria mesmo que ele lutou para construir uma leitura alternativa à de Varnhagen. Para Varnhagen, a história do Brasil seria resultante da ação civilizadora da Casa de Bragança. Capistrano tende a deslocar esta ação para personagens por vezes anônimos. Seus "heróis" são conquistadores, mineiros, vaqueiros, pretos forros, índios, jesuítas que iam povoando o interior do território, formando a corrente interior, mais densa e volumosa do que o "tênue fio litorâneo", como fala Capistrano. A busca do historiador é pela pátria interior, no sentido geográfico e do sentimento de nação que ia se formando.

Além de Varnhagen, que outros autores inspiraram a obra de Capistrano de Abreu?
Varnhagen é importante para Capistrano porque, com frequência, este partia de seu antecessor. Ao mesmo tempo, começava a marcar sua diferença, elegendo o tema do povoamento, o tema do sertão, a construção do sentimento de nação. De alguma forma, acho que a admiração que Capistrano tinha por seu conterrâneo José de Alencar também tem relação com suas preocupações. Diria que a questão indígena, por exemplo, que aparece com força em Capistrano, pode ter sido inspirada pelo indianismo de Alencar. Já a forte preocupação com o território o aproxima do Barão do Rio Branco.

Como propõe em sua pesquisa, Capistrano de Abreu não penas fez evoluir as perspectivas em torno da história do Brasil, mas também os métodos historiográficos. Os modos de pesquisa desenvolvidos por ele e seu rigor podem ser considerados inovações para a disciplina?
Sim, Capistrano ficou conhecido por ter sido quem mais (e melhor) utilizou o método crítico. Uma ferramenta indispensável para o historiador moderno e que foi empregada com maestria pelo cearense. Ele chamava atenção de seus contemporâneos para a necessidade de citar as fontes, fazer o exame crítico da documentação. Chegou a repreender seu amigo Guilherme Studart por não se preocupar com a crítica, que a partir de Ranke mudava a fisionomia da História. As dimensões do pesquisador e do narrador deveriam estar juntas no mesmo espírito, para que houvesse uma historiografia digna deste nome.

Capistrano é reconhecido por sua tentativa de ler o Brasil como nação, de identificar como se constituiria o "sentimento nacional". Afinal, qual o Brasil de Capistrano de Abreu? Que nação é a nossa, segundo suas interpretações da história?
Sem dúvida uma nação mestiça. Capistrano, na verdade, identifica vários brasis. A diversidade de modos de vida têm relação com a diversidade do próprio território e das diferentes modalidades de ocupação/ atividade econômica e interação entre portugueses, índios e negros. Esta diversidade aparece em algum momento dos Capítulos com a expressão "cinco grupos etnográficos", gestados durante a história colonial. Eles são unidos pela língua e pela religião comum. A questão de Capistrano, na verdade sua dúvida, é o quanto essas diferentes realidades formam, de fato, uma nação. Para ele, superou-se o "sentimento de inferioridade" em relação à metrópole (Portugal). Mas parece que ele nutre uma dúvida sobre a força desse sentimento em relação, por exemplo, à França, Inglaterra ou Estados Unidos. "O Brasil está em evolução ou dissolução?", perguntava-se, por vezes em sua correspondência. No Brasil, disse certa vez, "produzimos para sobremesa". Qual o lugar do Brasil no concerto das nações?

No tempo presente, em que historiadores investem na formação acadêmica e o reconhecimento da atividade como, de fato, uma profissão, o pensamento de Capistrano de Abreu ainda é revisitado? Pode-se considerar que a valorização do ofício de historiador era uma luta do intelectual cearense?
Acho que sim. Numa época em que não havia sequer curso de história, Capistrano procurou, em todos os seus escritos, divulgar para seus contemporâneos, uma certa imagem do ofício de historiador. Ele mobilizou o método crítico e a história como campo do conhecimento em polêmicas publicadas na imprensa. A sua confiança na história como meio de acesso à discussão sobre a nacionalidade é algo notável, não apenas em seus livros e artigos, mas também em sua correspondência. Se não teve propriamente um engajamento político, fez de seu próprio trabalho a sua militância, pela disciplina predileta. Praticou com dedicação exemplar o ofício do historiador. E com isso passou a ser reconhecido pelos contemporâneos que, inclusive, o pressionavam para escrever uma história do Brasil.

Para Capistrano de Abreu, a escrita da História possibilitaria a formação de uma consciência nacional. Este era um dos motivos da exigência do rigor teórico e metodológico. Pensando nisto, o que você teria a dizer sobre as inúmeras ficções e biografias brasileiras baseadas em estudos históricos? Elas auxiliam a formação de uma consciência nacional ou, por vezes, desvirtuam a concepção de nossa história?
Creio que as contribuições de diversos campos são importantes, embora seja fundamental saber diferenciá-las. O historiador não tem o monopólio sobre a história. E isso não é ruim. O que pode ser problemática é a ideia de que a história escrita pelos historiadores é tradicional, que o bom é ver documentários, ler livros escritos por não historiadores porque são mais interessantes e não tem linguagem acadêmica. Acho que esse preconceito existe. Na verdade, qualquer livro de história sério, escrito por historiador ou não, pode auxiliar na construção de um pensamento sobre a História do Brasil.

Daniel Mesquita é historiador e professor da PUC-RJ.

MAYARA DE ARAÚJO
ESPECIAL PARA O CADERNO 3

HTML clipboard
Clique aqui para cadastrar-se no Grupo de Estudos da História do Brasil
Conheça nosso perfil no Faceboock
Follow grupohistoriabr on Twitter Inscrever RSS do Grupo de Estudos da História do Brasil Visite o Blog do GEHB


__._,_.___
Atividade nos últimos dias:
    **Este grupo foi criado com o intuito de promover releituras da HISTÓRIA DO BRASIL e tão-somente  HISTÓRIA DO BRASIL.  Discussões sobre a situação atual: política, econômica e social não estão proibidas, mas existem outros fóruns mais apropriados para tais questões.


                                                                                                    Por Favor divulguem este grupo e grato pelo interesse .
 
Visite o Blog do nosso Grupo:http://www.grupohistoriadobrasil.blogspot.com

__,_._,___

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.

Arquivo do blog

Seguidores do Grupo de Estudos da História do Brasil - GEHB.

Livraria Cultura - Clique aqui e conheça nossos produtos!