Este espaço é reservado para troca de textos e informações sobre a História do Brasil em nível acadêmico.

quarta-feira, 31 de outubro de 2012

A mitologia da glória - Além de vilões e traidores, o que permanece depois da história? (Folha de S.Paulo, 28/10/2012)




HISTÓRIA
A mitologia da glória
Além de vilões e traidores, o que permanece depois da história?
RESUMO Diplomata de carreira, Vasco Mariz possui extensa e notável obra, que permaneceu desconhecida do meio historiográfico durante anos. Em seu mais recente livro, discute o papel de personagens célebres da história do Brasil, como Domingos Fernandes Calabar, por séculos visto como traidor da resistência pernambucana.

RONALDO VAINFAS
É ESPANTOSO QUE a obra do diplomata Vasco Mariz tenha permanecido por anos desconhecida do meio historiográfico profissional, embora seja ele autor de livros laureados e pertença, desde 1982, aos quadros do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro (IHGB).
A explicação para tal omissão reside, sem dúvida, no espírito corporativista da academia, nos tecnicismos metodológicos dos cursos de pós-graduação e na obsessão teórica que, sobretudo nos anos 1970 e 1980, tomou conta dos cursos universitários de história.
Felizmente, queira-se ou não, a história é uma disciplina aberta, e sua escrita depende menos da formação específica na carreira universitária e mais da erudição, da base documental e da capacidade narrativa do historiador.
Não fosse assim, Sérgio Buarque de Holanda não seria considerado historiador de ofício, pois formou-se em Direito na antiga Universidade do Brasil (hoje UFRJ). Quem haveria de sustentar tal juízo estapafúrdio?
Vasco Mariz, carioca, nascido em 1921, fez da diplomacia sua profissão por mais de 40 anos, servindo como embaixador em Israel, na Alemanha, no Equador, no Peru e em Chipre, além de representar o Brasil na ONU (1960-62) e na OEA (1967-69). Mas desde jovem flertava com a história, a começar pela história da música.
Data de 1947 sua obra pioneira sobre Villa-Lobos, hoje na 11ª edição. Sua "História da Música no Brasil" (Nova Fronteira, esgotado), publicada em 1983, é obra de referência, várias vezes reeditada, além de premiada pela Academia Brasileira de Letras e pela Associação Paulista dos Críticos de Arte.
Mas foi a partir 1987, quando se aposentou do Itamaraty, que Vasco Mariz escolheu dedicar-se de corpo e alma à pesquisa histórica. Algo de semelhante ocorreu com outros diplomatas, hoje reconhecidos como grandes historiadores pelo establishment universitário, em especial Alberto da Costa e Silva e Evaldo Cabral de Mello.
Para citar só duas grandes obras, Vasco Mariz publicou livros fundamentais sobre a presença francesa no Brasil colonial, "Villegagnon e a França Antártica" (1999) e "La Ravardière e a França Equinocial: Os Franceses no Maranhão" (2007), ambos em parceria com o colega francês Lucien Provençal. Os livros são ancorados em documentação inédita, atentos às conexões entre história brasileira e europeia e, sobretudo, bons de ler.
*Depois da Glória" [Civilização Brasileira, 378 págs., R$ 49,90]*, seu último livro, inclui 18 ensaios sobre personagens mais ou menos ilustres da história do Brasil e de Portugal desde o século 16 ao 19. Propõe o exercício interessante de analisar problemas gerais a partir de um personagem central conjugado a um episódio capital na história luso-brasileira.
EIXO IMPLÍCITO A ideia-chave é discutir o papel de personagens célebres, cotejando as evidências históricas com as mitologias posteriormente construídas, para o bem ou para o mal. História versus memória é o eixo implícito da obra.
Desfilam no livro personagens de grosso calibre, a exemplo de Antônio Vieira, que nosso autor considera desastrado, com boas razões, no ofício de diplomata de d. João 4º; Maurício de Nassau, o governador do Pernambuco holandês, entre 1637 e 1644, cuja carreira não se limitou às terras brasílicas; d. Pedro 1º, nosso primeiro imperador, que, no entanto, nunca se conformou em renunciar ao trono português; o duque de Caxias, responsável pela nomeação do barão do Rio Branco, como cônsul-geral em Liverpool, contrariando a vontade do imperador d. Pedro 2º; Joaquim Nabuco, diplomata e abolicionista, além de historiador, que, muito arguto, enxergou como poucos a especificidade do cativeiro africano no Brasil em comparação com a escravidão nos EUA.
O ensaio sobre Villegagnon (1510-71), nobre francês que fundou a França Antártica no Rio de Janeiro, traz boas lições sobre como lidar com personagens célebres na escrita historiográfica. Villegagnon erigiu, em 1556, o forte Coligny, na ilha hoje conhecida como "ilha de Villegagnon", na baía de Guanabara.
O nome homenageia o almirante francês, figura de proa entre os calvinistas do reino, embora Villegagnon fosse católico. Os antigos manuais de história atribuem a Villegagnon o massacre de calvinistas na colônia francesa nos anos 1560.
Mariz esclarece que Villegagnon, que voltou à França em 1559, jamais perseguiu protestantes, empenhado em manter a colônia à margem de querelas religiosas. Não conseguiu seu intento, é claro, porque os franceses, naquela época, se matavam por causa de santos ou da Virgem Maria -os calvinistas contra, os católicos a favor.
Mariz esclarece a fonte do equívoco: o best-seller da época "Histoire d'un Voyage au Brésil" ("Viagem à Terra do Brasil"), do calvinista Jean de Léry (1536-1613), que esteve no Rio de Janeiro. Muitos autores até hoje repetem esta lenda, por inadvertência ou por fervor anticatólico.
Houve mesmo um governador do Rio de Janeiro, o presbiteriano Anthony Garotinho (1999-2002), que vetou a colocação de um busto de Villegagnon na praia do Flamengo, defronte ao rio Carioca, onde a colônia francesa fora edificada.
CALABAR Outro ensaio instigante é o que trata de Domingos Fernandes Calabar (1600-35), famoso "traidor" da resistência pernambucana. Capturado pelo governador Matias de Albuquerque, foi sumariamente condenado à morte. Enforcado e esquartejado, com a cabeça e os membros espalhados em Porto Calvo -hoje município de Alagoas- e arredores.
A crônica portuguesa do século 17, que o viu como traidor, acabaria endossada pela nossa historiografia oitocentista, com destaque para Francisco Adolpho de Varnhagen (1816-78), então a estrela máxima do IHGB. Tratava-se de construir uma "história nacional", que Varnhagen entendia como continuação da história portuguesa. Nessa perspectiva, se Calabar traiu Portugal, traiu também a "pátria brasileira". Para outros, ao contrário, Calabar foi herói, ao se aliar aos holandeses para combater os opressores portugueses. A famosa peça de Ruy Guerra e Chico Buarque, nos anos 1970, é um resumo eloquente dessa visão, a começar pelo título: "Calabar, o Elogio da Traição".
Mariz não analisa a peça que, em todo caso, exprime uma visão igualmente distorcida. Explica-se: a peça foi escrita durante a ditadura militar. A idealização de Calabar funciona como metáfora da resistência ao regime, além de afirmar uma certa brasilidade "à gauche".
Afinal, Calabar traiu ou resistiu? Vasco Mariz desmonta, com minúcia, o anacronismo desse dilema. Afirma que Calabar não traiu a pátria brasileira, nem poderia, pois não "havia um país a ser traído". Nem tampouco "resistiu" ao colonialismo, quando aderiu aos holandeses. Apenas trocou um colonizador pelo outro.
Pergunta-se: Calabar ao menos traiu a Coroa portuguesa? Nem isso, pois quando, mudou de lado, em 1632, ainda vigia a União Ibérica (1580-1640), de modo que o Brasil pertencia, de jure, à Coroa espanhola.
Mariz considera Calabar nada mais do que um desertor, homem inconformado com os preconceitos raciais vigentes no mundo luso-brasileiro, pois era mestiço, e os holandeses tinham fama de tolerantes. Vale como conjectura, nem tanto como fato, pois carece de evidências. No frigir dos ovos, tudo indica que Calabar mudou de lado por promessa de alguma vantagem ou expectativa dela. Não foi o primeiro, nem o último a fazê-lo nas guerras pernambucanas.
Sua execução sumária, aliás, foi decidida porque Calabar sabia de muita gente graúda que apoiava secretamente os holandeses. O historiador Evaldo Cabral de Mello resumiu a morte de Calabrar em uma fórmula fácil: "queima de arquivo".
Em todo caso, na lógica do Antigo Regime, dado que as hierarquias sociais se mesclavam com as relações pessoais, muito mais do que institucionais, é lícito dizer que Calabar, ao desertar, traiu Matias de Albuquerque, governador de Pernambuco. Por extensão, traiu o rei de Espanha, a quem, por meio de Matias, devia lealdade de súdito. Mas não traiu pátria nenhuma.
Esse é mais um exemplo do exercício histórico presente no livro de Mariz, que parte do episódio ou da biografia para reconstituir processos históricos relevantes.
Foi-se o tempo em que se exigia dos historiadores máxima atenção com teorias e abstrações. A história não tem vocação para demonstrar teorias gerais. O melhor que pode oferecer, como forma de conhecimento, é a elucidação de casos particulares. A obra de Vasco Mariz preenche à farta, portanto, a expectativa de leitores que apreciam a história.

O ensaio de Vasco Mariz sobre o nobre francês Villegagnon traz boas lições sobre como lidar com personagens célebres na escrita historiográfica
--
Fabrício Augusto Souza Gomes
"Onde o homem passou e deixou marca de sua vida e inteligência, aí está a História". (Fustel de Coulanges)

__._,_.___

Atividade nos últimos dias:
    **Este grupo foi criado com o intuito de promover releituras da HISTÓRIA DO BRASIL e tão-somente  HISTÓRIA DO BRASIL.  Discussões sobre a situação atual: política, econômica e social não estão proibidas, mas existem outros fóruns mais apropriados para tais questões.

                                                                                                    Por Favor divulguem este grupo e grato pelo interesse .
 
Visite o Blog do nosso Grupo:
http://www.grupohistoriadobrasil.blogspot.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.

Arquivo do blog

Seguidores do Grupo de Estudos da História do Brasil - GEHB.

Livraria Cultura - Clique aqui e conheça nossos produtos!