Este espaço é reservado para troca de textos e informações sobre a História do Brasil em nível acadêmico.

domingo, 1 de maio de 2011

** À sombra da praça Haymarket

 


Boca no Trombone
À sombra da praça Haymarket
         Albert Persons, August Spies, Sam Fielden, Oscar Neeb, Adolph Fischer, Michel Schwab, Louis Lingg e Georg Engel. Não, não é uma lista de roqueiros. Tampouco de participantes de algum reality show, membros de uma banca de doutorado ou reservas de um time de rugby. São personagens do episódio sangrento que deu origem, em 1886, ao 1º de Maio, o Dia Internacional dos Trabalhadores.
         No início da década de 1880, a jornada média de trabalho nos Estados Unidos era de 16 horas diárias. Os salários mal davam para a sobrevivência. O movimento operário, até então dividido e frágil, começa a se robustecer com as levas migratórias, sobretudo de irlandeses, alemães e escandinavos (a população norte-americana salta de 9,6 milhões em 1820 para 31,3 milhões em 1860). A mídia era implacável sobre os direitos dos trabalhadores. Eis o que opinou o Chicago Times, em abril de 1886: “O único jeito de curar os trabalhadores do orgulho é reduzi-los a máquinas humanas, e o melhor alimento que os grevistas podem ter é chumbo”.
         Em 1881, nasce a Federação Americana do Trabalho (American Federation of Labor – AFL). Num congresso realizado em Chicago em novembro de 1884, as entidades sindicais congregadas na AFL unificam suas reivindicações em torno de uma palavra de ordem: “Oito horas de trabalho, oito horas de descanso, oito horas de educação”. O prazo para que os patrões atendessem a reivindicação seria 1º de maio de 1886.
         Na data marcada, os Estados Unidos são sacudidos por grandes manifestações operárias e muitas fábricas são paralisadas. Em Chicago, a praça Haymarket concentra, pacificamente, comícios e passeatas. A mobilização continua por vários dias. No dia 3 de maio, a polícia abre fogo contra operários da fábrica McCormick Harvester, matando seis deles e ferindo dezenas. Centenas são presos. Em protesto, é convocado para o dia seguinte um ato na Haymarket.
         Durante o ato, pacífico como os anteriores, a polícia reprime brutalmente os manifestantes. De repente, uma bomba é lançada contra os policiais (nunca se soube de onde ela veio). Foi a senha para uma violência ensandecida. Trabalhadores foram abatidos como moscas, presos aos milhares. Sedes de sindicatos são incendiadas e casas são invadidas a esmo por facínoras contratados pelos patrões. A imprensa exige a punição dos “terroristas vermelhos”. Sem qualquer prova, oito líderes sindicais (Persons, Spies, Fielden, Neeb, Fischer, Schwab, Lingg e Engel) são presos. Eram os “suspeitos de sempre”.
         Numa farsa que envergonha até hoje o sistema judicial norte-americano, os juízes condenam os oito sindicalistas. A sentença para Parsons, Engel, Fischer, Lingg e Spies foi a morte por enforcamento. Com isso, o Estado assassina trabalhadores “inconvenientes”, na expectativa de desmobilizar a massa operária.
         Em 1890, o 1º de Maio passa a ser o Dia Internacional dos Trabalhadores, dedicado a manifestações por melhores condições de trabalho e, em muitos casos, pela extinção das sociedades divididas entre exploradores e explorados. Nos últimos anos, esse caráter combativo, herança dos Mártires de Chicago, anda, não raro, substituído por festinhas patrocinadas por governos e empresários, piqueniques e confraternizações suspeitas com políticos oportunistas. Sindicatos chapa branca e centrais sindicais domesticadas chancelam a desidratação da história das lutas operárias. No Brasil e no mundo, felizmente, há honrosas e importantes exceções.
         A participação de judeus nas grandes lutas dos trabalhadores é conhecida. Emma Goldman, Rosa Luxemburgo, Lev Bronstein, Emmanuel Ringelblum, Hersh Smolar, Salomão Malina, Jacob Gorender, Joe Slovo, Iara Iavelberg, Mário Schenberg, Nathan Weinstock, Vladimir Herzog, a lista nunca seria completa. Cada um deles, no trabalho intelectual ou na militância política, ajudou a engravidar o mundo com justiça e igualdade. É pensando neles que saudamos todos os trabalhadores neste 1º de Maio.
Diretoria da ASA – Associação Scholem Aleichem de Cultura e Recreação

__._,_.___
Atividade nos últimos dias:
        **Este grupo foi criado com o intuito de promover releituras da HISTÓRIA DO BRASIL e tão-somente  HISTÓRIA DO BRASIL.  Discussões sobre a situação atual: política, econômica e social não estão proibidas, mas existem outros fóruns mais apropriados para tais questões.

                                                                                                        Por Favor divulguem este grupo e grato pelo interesse .
     
    Visite o Blog do nosso Grupo:http://www.grupohistoriadobrasil.blogspot.com

    Nenhum comentário:

    Postar um comentário

    Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.

    Arquivo do blog

    Seguidores do Grupo de Estudos da História do Brasil - GEHB.

    Livraria Cultura - Clique aqui e conheça nossos produtos!