Este espaço é reservado para troca de textos e informações sobre a História do Brasil em nível acadêmico.

sábado, 26 de fevereiro de 2011

** MAJOR ARCHER

 
digitação utilizada para inclusão no site:
22/07/2009
Texto básico de palestra no IHP em sessão de
12/07/2004
Tribuna de Petrópolis, Edição Especial, 159 Anos de Petrópolis:
16/03/2002
A PRESENÇA, EM PETRÓPOLIS, DO MAJOR ARCHER , O PRECURSOR DA SILVICULTURA NO BRASIL

Manoel de Souza Lordeiro

A concentração populacional e o caráter predatório da exploração dos recursos naturais vem preocupando governos e instituições desde o início do século XIX, momento em que eclodiu a Revolução Industrial. Toma corpo a partir de então, em defesa do meio ambiente, uma mentalidade conservacionista que adotaria o lema "usar sem destruir".

O Rio de Janeiro da segunda metade do século XIX enfrentava sérios problemas de urbanização com reflexos visíveis na qualidade de vida. Quase meio século havia decorrido desde a chegada da família real portuguesa e seu séquito, com a população acrescida, repentinamente, de cerca de 20.000 pessoas. Mas os efeitos dessa transformação ainda se faziam sentir, principalmente no que se referia ao abastecimento de água potável, que atingia níveis críticos. Os mananciais de então, situados nas encostas de Santa Teresa e do Corcovado, tinham seus cursos canalizados até alcançar os chafarizes e torneiras localizados em diversos pontos da cidade. Dali, através dos "Aguadeiros" - escravos - a água era conduzida às residências e estabelecimentos públicos e comerciais. As atenções dos administradores voltavam-se, assim, para os mananciais das encostas da Tijuca, em especial o rio Maracanã. O problema é que a partir do século XVIII essas encostas vinham sendo paulatinamente divididas em sítios e fazendas, dadas as suas condições propícias para a agricultura: fácil acesso e água em abundância. Tal procedimento resultou na devastação das matas, fato agravado pela extração de lenha e fabrico de carvão - os combustíveis da época - além do corte de madeiras-de-lei para construção. Tudo isso formava um cenário desolador.

Diante da escassez que cada vez mais se acentuava, a única preocupação naquela época era aumentar o volume das águas dos mananciais através de práticas intensivas de reflorestamento das nascentes. É nesse contexto que são tomadas as primeiras medidas efetivas para implantação da Floresta da Tijuca, iniciativa de Almeida Torres, então na Pasta do Império, em 1848. Entre outras providências era sugerida a destinação de uma verba para desapropriação dos terrenos necessários ao reflorestamento daquela área.

A propósito, foi nas encostas da Tijuca que tiveram. origem os primeiros cafezais do Brasil. Mais tarde essas culturas iriam expandir-se para a Província do Rio de Janeiro, principalmente para o Vale do Paraíba, até alcançar as terras roxas dos planaltos de São Paulo, onde iriam encontrar o seu habitat ideal. A implantação das lavouras de café no território fluminense foi simplesmente desastrosa: as queimadas que visavam a expansão das áreas de cultura, consumiram impiedosamente uma flora exuberante, rica, inclusive, em madeiras-de-lei. Foi este um dos maiores fatores de devastação da Mata Atlântica no Estado do Rio, hoje reduzida a um percentual insignificante da mata original. Diga-se, a bem da verdade, que não faltaram medidas preventivas e punitivas. Um exemplo é a carta régia expedida em maio de 1797 pelo príncipe-regente D. João, depois coroado rei D. João VI, que visava a "conservação das florestas da colônia".

Leis, realmente, nunca faltaram; mas também nunca foram cumpridas ...

Em 11 de dezembro de 1861 D. Pedro II baixava instruções provisórias cujo art. 1º versava sobre plantio e conservação das florestas da Tijuca e Paineiras. Treze anos eram decorridos desde a iniciativa do ministro Almeida Torres. Em 18 de dezembro de 1861 o imperador designava o major Manoel Gomes Archer para administrar a Floresta da Tijuca. Nascido no Rio de Janeiro em 21 de outubro de 1821, dele não há muitas referências bibliográficas. Em alguns documentos aparece vagamente como engenheiro e, ao que se sabe, não era militar. O uniforme que ostenta em sua foto mais divulgada seria de "moço do paço", e a patente teria algo a ver com a Guarda Nacional, a quem devemos muitos "coronéis" por esse Brasil afora. O que importa, mesmo, é que Archer era um verdadeiro amante da Natureza, com grande prática de silvicultura adquirida no trato direto e permanente com a terra, em sua fazenda Independência, na localidade de Guaratiba.

Major Manoel Gomes Archer

Archer instala-se no locai então denominado Sítio do Midosi, tendo à sua disposição os escravos Constantino, Eleutério, Leopoldo, Manuel, Maria e Mateus. Um ano após ter assumido, Archer já havia plantado cerca de 10.000 mudas com grande diversidade de espécies, um tipo de reflorestamento bem mais complexo, o que valoriza ainda mais o seu trabalho.

Em 1874, enfrentando problemas administrativos, e não podendo contar com recursos suficientes para dar continuidade ao trabalho que se propunha executar, Archer pede exoneração do cargo de administrador da Floresta da Tijuca. Até então havia plantado 80.000 mudas, das quais teriam vingado cerca de 50.000.

Em 12 de novembro de 1877 o imperador nomeia Manoel Gomes Archer para o lugar de Superintendente da Imperial Fazenda de Petrópolis, cargo que assumiria no dia 21 do mesmo mês. Logo de início enfrentou algumas dificuldades, como já era de se esperar, para exercer uma ação corretiva que resultasse na recomposição. da cobertura vegetal, a essa altura bastante comprometida pelo incessante desmatamento. Os motivos eram quase os mesmos que afetaram tão duramente a Floresta da Tijuca, não tanto pelo cultivo agrícola, que as terras de Petrópolis não se prestavam a esse mister, mas a exploração de madeira para construção e, principalmente, um ativo comércio de lenha e carvão, já acarretavam sérios problemas ao município.

O Plano Koeler, tão cuidadosamente elaborado, previa a manutenção das matas ciliares e das coroas dos morros, visando a proteção dos mananciais. Como salienta Eppinghaus, "Koeler teve profunda preocupação com a devastação das matas, erosão nas encostas e suas conseqüências danosas com o escoamento das grandes precipitações pluviométricas que na época se faziam sentir com as chuvas de verão ( ... ). Atentando para as dimensões dos lotes, principalmente sobre sua profundidade, preservação das matas e restrição ao uso do alto das montanhas, quis Koeler evitar a corrida da capa arborizada".

As instruções complementares, baixadas por Koeler, determinavam em seu § 7 do art. 15º o seguinte: não é permitida alienação parcial do prazo senão em proporção de 5 braças (11m) de frente, com o fundo total respectivo, precedido de licença, portanto, de aprovação do Superintendente.

Infelizmente, um trágico acidente tiraria a vida de Koeler em 21 de novembro de 1847 e muitos dispositivos de suas instruções complementares viraram letra morta. O resultado está aí, hoje, à vista de todos ...

Quanto às coroas dos morros, Archer entendia que deveriam ser abertos caminhos para que a administração a elas tivesse acesso e, assim, pudesse fiscalizá-las. Sem os caminhos, a proteção das coroas ficava ao sabor da iniciativa dos foreiros, nem sempre engajados nessa tarefa. Apesar de tudo, Archer, valendo-se de sua condição de Superintendente, negava sistematicamente o aforamento de terrenos ainda cobertos de matas virgens. Áreas devolutas, algumas delas nas cabeceiras do rio Quitandinha, não foram mais aforadas. Dificuldades surgiram, também, quanto à disponibilidade de terras para ensaios de reflorestamento e como já se tomou rotina de recursos financeiros para as despesas decorrentes.

Em 30 de abril de 1881 Archer redige um Memorial onde faz diversas recomendações com o objetivo de impedir as ações que poderiam, segundo ele, "transformar, em futuro próximo, as condições climáticas e econômicas do lugar". Aconselhava o plantio de espécies mais úteis e de rápido crescimento, sobretudo nas coroas dos morros mais próximos da cidade. Era citado o morro do Cruzeiro (que muitos conhecem, hoje, como "morro dos milionários") como um local adequado para intervenção imediata. Esse morro contava com um acesso pela rua Bourbon. (hoje rua Dr. Nelson de Sá Earp). Archer previa que o morro, reflorestado, atenderia o requisito de utilidade e constituiria, ao mesmo tempo, "um magnífico passeio para a população". A reconstituição das matas, partindo do centro da cidade para os arrabaldes, seria executada preferencialmente nos lugares em que beneficiasse os mananciais, ou seja, nas coroas dos morros e nas margens das cabeceiras dos rios (matas ciliares).

Archer entendia que tais empreendimentos deveriam caber exclusivamente à Casa Imperial, já que a iniciativa privada dificilmente se interessaria por um investimento sem retomo em curto prazo. A acrescentar, o fato de que o replantio de florestas era então praticamente desconhecido no Brasil. Archer tinha sido o pioneiro do reflorestamento misto, que aplicou na Floresta da Tijuca, quando a tendência geral seria para o plantio homogêneo, isto é, com árvores da mesma espécie, como hoje se pratica em larga escala no país.

Em 29 de agosto de 1887 Archer é nomeado interinamente para a Superintendência da Imperial Fazenda de Santa Cruz, função que exerceu cumulativamente com a de Petrópolis até 27 de outubro de 1888, quando é efetivado, deixando a Cidade Imperial.

Batalhador constante em favor de uma consistente legislação florestal, Archer viria a ser, também, o precursor da criação de escolas agronômicas. Outra de suas preocupações era a exploração racional dos produtos florestais como fonte de riqueza nacional.

A obra de Manoel Gomes Archer não encontra paralelo em toda nossa História, principalmente se levarmos em conta a época e as condições em que foi realizada. Lutando contra tudo e contra todos, contra a incompreensão oficial que a cada ano reduzia os recursos financeiros, contra as dificuldades de pessoal e a burocracia emperrada - um problema crônico, diga-se de passagem - Archer conseguiu, não obstante, realizar um trabalho notável e de admirável visão ecológica. Não sendo botânico nem especialista, mas um autêntico amante da Natureza, é hoje reconhecido, com inteira justiça, como o precursor da silvicultura no Brasil.

__._,_.___
Atividade nos últimos dias:
    **Este grupo foi criado com o intuito de promover releituras da HISTÓRIA DO BRASIL e tão-somente  HISTÓRIA DO BRASIL.  Discussões sobre a situação atual: política, econômica e social não estão proibidas, mas existem outros fóruns mais apropriados para tais questões.

                                                                                                    Por Favor divulguem este grupo e grato pelo interesse .
 
Visite o Blog do nosso Grupo:http://www.grupohistoriadobrasil.blogspot.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.

Arquivo do blog

Seguidores do Grupo de Estudos da História do Brasil - GEHB.

Livraria Cultura - Clique aqui e conheça nossos produtos!